Após chacina em escolinha, município de Saudades faz velório coletivo para as vítimas

O município de Saudades, no oeste catarinense, amanheceu em luto nesta quarta-feira (5). Faixas pretas estendidas em frente à estabelecimentos comerciais deixam claro que a tragédia ocorrida na escola Aquarela vai além das famílias das cinco vítimas – três bebês e duas professoras. A dor é coletiva para a cidade de pouco mais de 9 mil habitantes.

Pelo alto impacto à comunidade, um velório coletivo está sendo feito desde o momento em que os corpos chegaram do Instituto-Médico Legal, por volta das 3h30min desta quarta, no Ginásio Municipal de Saudades. Uma missa está marcada para as 9h.

Em frente à escola infantil Aquarela, palco da chacina, a todo o momento moradores deixam homenagens às vítimas. Os cartazes são colocados ao lado de um banner instalado antes do crime pela prefeitura, em lembrança ao Dia das Mães.

Uma das mensagens chama as vítimas de “anjos” e as professoras mortas de “heroínas”, por terem conseguido evitar uma tragédia ainda maior. Fotos dos bebês e das professoras foram impressos e colocados no portão.

Uma das pessoas que deixava uma homenagem nesta manhã era Glaucia dos Reis, 37 anos. Ela conhecia as famílias dos três bebês e era colega de trabalho dos pais das duas professoras em uma fábrica de móveis.

– Saudades é uma cidadezinha maravilhosa de se morar. Trouxe duas velas: uma pedindo luz para as famílias, e outra paz para o município – lembrou.

Ela ainda recorda que a escola é o primeiro local de encontro das crianças.

– A emoção toma conta da gente. Eram inocentes, não conseguimos imaginar isso – lamentou.

O governo de Santa Catarina afirmou que enviará 25 psicólogos para atender familiares e moradores.

Quem são as vítimas

O ataque com um facão cometido por um jovem de 18 anos matou Sarah Luiza Mahle Sehn, 1 ano e 7 meses, Anna Bela Fernandes de Barros, 1 ano e 8 meses, Murilo Massing, 1 ano e 9 meses, Mirla Amanda Renner Costa, 20 anos, e Keli Adriane Aniecevski, 30.

O autor do crime, Fabiano Kiper Mai, atentou contra a própria vida e está hospitalizado. Ele foi transferido do hospital de Pinhalzinho, cidade vizinha, por risco de invasão.

Um bebê também atacado pelo criminoso passou por cirurgia e se recupera bem, segundo o pai.

Polícia trabalha com várias hipóteses para descobrir a motivação da chacina

No final da tarde de terça-feira (4), autoridades da segurança pública de Santa Catarina e da prefeitura da cidade de Saudades atualizaram informações sobre o ataque de Fabiano Kipper Mai. O delegado Jerônimo Marçal Ferreira, que está investigando o caso, diz que a polícia trabalha com várias hipóteses para a motivação do crime, analisando a vida pregressa do jovem e suas relações afetivas.

Informações: Gzh

Foto destaque: André Ávila

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Avenida Rio Branco, 809  –  Centro  –  Santa Maria/RS  –  CEP 97010-423